Leilões são uma forma de comércio antiga, que data do segundo século depois de Cristo. Mas foi só perto do ano de 1550 que os leilões começaram a se profissionalizar – e aí apareceu o que viria a ser uma primeira versão da figura do leiloeiro.

Mas história à parte, não é possível haver leilão sem leiloeiro. E essa figura é tão importante que ganhou um dia especial: em 19 de outubro é comemorado o Dia Nacional do Leiloeiro, data em que se celebra aquele cujo trabalho é fundamental para a boa gestão de um leilão.

Mas afinal, o que faz um leiloeiro? “Essa é uma pergunta que ouvi muitas vezes na minha trajetória”, conta Mauro Zukerman, um dos leiloeiros mais proeminentes do Brasil e também o mais rápido do mundo, segundo o Guiness World Records.O leiloeiro, em uma definição rápida, é a pessoa responsável por intermediar a venda de um bem em leilão, e isso acontece na data do evento em si, mas antes também, negociando as melhores condições para comprador e vendedor”, conta Mauro Zukerman.

Um leiloeiro vai mediar leilões tanto de pessoas físicas quanto pessoas jurídicas. É responsável pela realização do leilão, pelo oferecimento dos bens e pelas vendas.

Alguns pré-requisitos para se tornar um leiloeiro no Brasil são:

– Ter mais de 25 anos de idade;

– Ser idôneo;

– Estar em dia com o cumprimento de direitos civis e políticos;

– Não possuir nenhum impeditivo para exercer funções comerciais;

– Não fazer parte de nenhuma sociedade, nem ser comerciante;

– Morar a pelo menos cinco anos no Estado onde deseja atuar;

– Não ser leiloeiro habilitado por outro Estado.

Em geral, a remuneração de um leiloeiro, por legislação, pode chegar até 5% do valor do bem leiloado.

Gostou de saber o que um leiloeiro faz? Então agora, que tão conhecer um pouco mais sobre Mauro Zukerman e o mercado de leilões?